domingo, 14 de dezembro de 2014

Mensagem Privada

O tempo passou. As coisas mudaram, nós mudamos, crescemos. E com isso as responsabilidades aumentaram. É hora de se despedir. Mais uma vez. De cada um seguir ir para um lado, desencontrar um dos outros. Não gosto de despedidas. Despedidas remetem a futuros reencontros. Reencontros me lembram borboletas no estômago. A vida insistiu em colocar pessoas boas na minha vida, mas não permitiu que permanecem no mesmo lugar sempre, e como sabemos, os pássaros voam. Somos como eles, desenvolvemos nossos voos, com tempo e experiência, porém, só não aprendemos a voar ainda, porque temos medo da queda. Temos medo de arriscar, e fracassar. Temos medo de errar, mas sabemos que o erro, é inevitável. Criamos nossos próprios caminhos, mas muitas vezes desviamos deles, com medo dos obstáculos e o que eles podem nos causar. Muitas vezes andamos na mesma direção, sem mesmo sabermos. Diferentes da gente, pássaros sabem para onde vão. Mas semelhantes, também têm medo, porém, se arriscam. Gosto da definição de Willian Shakespeare, na qual se diz, “nossas dúvidas são traidoras, e nos fazem perder, o que com frequência, poderíamos ganhar, por simples medo de arriscar.” Arriscar, no dicionário, pôr-se em risco, tentar, perder o medo; tais quais significados, nos deixam mais apavorados do que nunca. Acredito que no momento em que nos arriscamos a algo, temos grande chances, de ganhar. Sejam apenas experiências, o que por questão, é de grande valor, ou algo até mais. Pássaros são corajosos, ao tentar voar cada vez mais alto, mesmo sabendo que a qualquer momento, suas assas podem falhar. Devíamos ser como eles; corajosos. Sem medo de arriscar, sem medo de cair, sem medo de errar diante uma escolha. Mas como eu disse, é hora de despedir, de “voar”. Deixar as coisas de lado, seguir nossos sonhos, conhecer novos amigos, mas sem se esquecer dos bons e dos velhos. Ei de minha boa vontade, jamais esquecer-lhes. Tive o imenso prazer de conhecer vocês, anjos em forma humana, peças raras talvez. Apaixonei-me completamente por cada um de vocês, talvez porque “cada um possui uma beleza física e psíquica original e particular”, como dizia Augusto Cury. Se me perguntassem se eu gostaria de voltar ao tempo, para reviver cada momento com vocês, já sabem a resposta. Mas o tempo não volta, e como um porém, nem o futuro cabe a nós. Gostaria de agradecer por entrarem na minha vida, e fazer dela, melhor. Corram atrás dos seus sonhos, atrás daquilo que vocês realmente querem, e não deixem que ninguém os impeçam. Não se prendam. Lugar de passarinho é solto pelo céu, não enjaulado na gaiola. E lembrem-se, nunca é tarde demais ou cedo demais para ser quem você quer ser. Não há limite de tempo pra quem tanto deseja. Quero que saibam, eu amo vocês, por tudo que cada um é. Obrigada por tudo, pela amizade, e nossa união cada vez mais forte. Peço-lhes, não sumam. E pra finalizar, um adeus ou um até logo? Acho que a melhor definição é, nos vemos por aí.


Via Consequente

2 comentários:

  1. Uau que texto lindíssimo como sempre..
    Provavelmente já não te lembras do blog, que estive em pausa durante dois aninhos, mas agora decidi voltar! Adorava contar novamente com o teu apoio!
    THE PINK ELEPHANT SHOE 

    ResponderEliminar
  2. Olá, Marta! Espero bem que não seja uma despedida...Até logo! Boa semana e um beijinho;)

    ResponderEliminar